Wednesday, June 20, 2012

A cabana da azeitona

Estava à procura de um restaurante legal para comemorarmos o nosso “aniversário de relacionamento”, e, nessa busca, me familiarizei um pouco mais com a cena gastronômica de Bristol. Há lugares bem legais por aqui, mas o cardápio de primavera geralmente não é o meu favorito – envolve vários pratos à base de cordeiro (não como bebês) e favas e ervilhas... – e estava difícil encontrar algo que se encaixasse nos gostos dos dois e nas minhas atuais restrições alimentares. Confesso, também, que estou um pouco cansada de food por7n, e meu interesse anda mais voltado para pratos simples e bem feitos, um meio-termo nem sempre fácil de se encontrar por estas bandas britânicas, a não ser que se goste MUITO de carne e batatas, o que não é o meu caso.
Acabamos por nos decidir pelo Olive Shed, um restô de estilo mediterrâneo, em ambiente rústico com vista para o Bristol Harbour, recomendado pelo Raymond Blanc. Sábia decisão a não ser pelo fato de que, naquela noite, tivemos uma pequena tempestade e o estacionamento ficava um pouco afastado do local. Um sofrimento desnecessário, mas c'est la vie.
De aperitivo, ou “couvert” como às vezes se diz no Brasil, vieram o pão caseiro, as azeitonas e a misturinha de azeite e vinagre balsâmico. O Olive Shed também tem uma loja gourmet em que vende produtos nessa linha.

A minha entrada foi simples, um chowder (uma sopa mais encorpada) de tomate com queijo de cabra assado e flat bread – um tipo de pão achatado típico de lugares como a Turquia. O chowder estava reduzido demais, mas os sabores não decepcionaram.

A. foi de mexilhões com molho de ervas e vinho branco, um clássico que tem mais sabor quando à beira do Mediterrâneo, mas também aprovou e até tomou o caldinho depois.

O prato principal foi o mesmo para os dois e a estrela da noite: dourada ao forno e recheada com carne de siri, acompanhada de salada de rúcula e erva-doce assada. Simples, saborosa e saudável, para aliterar.

Mal sobrou espaço para a sobremesa, mas tinha de constar. A., como sempre, escolheu a opção de chocolate – bolo de chocolate com avelãs, calda de damasco e sorvete de baunilha – e eu, a crema catalana com sorvete de morango, que era algo que andava desejando desde a viagem a Málaga em maio, quando fracassei na missão de encontrar esse clássico nos restaurantes que visitamos.

Ambas escolhas acertadas, mas na verdade as sobremesas vieram um pouco distintas do cardápio (vale ressaltar, porém, que eles nos avisaram das substituições), talvez porque já fosse um pouco tarde e a cozinha estivesse prestes a fechar. A original de A. vinha com calda de arandos – cranberry – e o meu creminho, acompanhado de sorbet de frutos silvestres, não sorvete de morango.
O staff foi atencioso e simpático, algo também raro de se ver por aqui – bom, em Bristol as pessoas tendem a ser simpáticas e atenciosas, a atitude é bem menos blasé do que a londrina.
Se eu voltaria? Sim, mas acho que faltam uns pequenos acertos nos detalhes técnicos da preparação dos pratos. E, num dia de céu limpo, talvez haja mais oportunidade de aproveitar a vista do andar de cima.

2 comments:

Isabel said...

Que belo jantar! A primeira foto podia ser aqui em Portugal: pão e azeitonas, bem sul da Europa )
Bristol parece ser bastante interessante. Adorei a vista do restaurante.
Tudo de bom por aí.
Bjs

Julia Ribeiro said...

Td parece bom! Volta a postar! Seu blog é otimo! Bjs